Abra sua conta grátis Carregando

Entenda por que o fluxo de caixa é essencial para a sua empresa

Publicado em 20 de agosto de 2019 (atualizado em 29 de agosto de 2019)
Entenda por que o fluxo de caixa é essencial para a sua empresa

O fluxo de caixa é um relatório gerencial da entrada e saída de capital da empresa em determinado período. Pode variar de uma semana, um mês, um semestre, e assim por diante. Se há mais dinheiro entrando do que saindo, ele será positivo. No entanto, se a empresa vem gastando mais do que ganha, o resultado é negativo. Resumindo: o fluxo de caixa é um importante indicador da saúde financeira do negócio e fundamental para a tomada de decisões.

A seguir, você verá a importância de estar sempre de olho nos números do fluxo de caixa da sua empresa. Além de entender a relevância dele e o passo a passo para poder trabalhar da forma correta com os números. Então confira!

A importância do fluxo de caixa

O fluxo de caixa é essencial, porque ele significa a organização financeira da empresa. Sem esse método, não é possível calcular os recursos que entram e que saem do empreendimento.

O caixa pode ser imaginado como o instrumento que guarda o dinheiro recebido nas vendas. Além de ser também o que tira aquele mesmo dinheiro para comprar algo e fazer investimentos. O fluxo nada mais é do que controlar essas saídas para que as entradas sejam maiores e, assim, gerem lucro.

Por isso, ter um bom estudo objetivo e realizar um eficiente fluxo de caixa é essencial para qualquer empresa. Isso independente do tamanho dela, pode ser micro ou uma multinacional. Assim, o negócio terá garantia de lucro, o que é imprescindível para o crescimento e manutenção do empreendimento.

Novas formas de se calcular o fluxo de caixa

Hoje em dia, o caixa tradicional, como dito no tópico anterior, geralmente é utilizado apenas em comércios físicos. Afinal, o pagamento online e o uso de cartão de crédito modificaram quase que completamente a maneira das empresas e dos consumidores lidarem com dinheiro.

Isso faz com que existam outras formas de fazer o fluxo de caixa ser bem diferente do tipo tradicional. Há, por exemplo, softwares criados, exatamente, para fazer esse cálculo de receitas e despesas.

Outra maneira é contratar um intermediador de pagamentos online. Assim, ao gerar os boletos e carnês, essa plataforma disponibiliza para o empresário os valores das receitas. Assim, ele consegue saber o quanto pode gastar.

Manual Financeiro Para Empreendedores

Tipos de fluxo de caixa

Conheça os tipos de fluxo de caixa

A matemática divide esse método em diferentes estilos. Na lista abaixo, você pode conhecer cada um deles!

  • Operacional: calcula as receitas e despesas, mas não contabiliza a necessidade de investimentos e capital de giro.
  • Direto: calcula todos os custos e receitas, inclusive os de investimentos. É o tipo mais realizado.
  • Indireto: analisa os lucros e custos de determinado período para melhorar os resultados com o passar do tempo.
  • Projetado: projeta, a partir dessas análises, quanto de gastos e de receitas a empresa deve ter para crescer no mercado.
  • Livre: calcula o quanto a empresa precisa ganhar em meses ou anos para poder atingir as metas propostas.
  • Descontado: contabiliza o valor real da empresa para poder vendê-la em parte ou completamente.

Passo a passo

Tudo dependerá da forma e dos instrumentos que a empresa utiliza para fazer o fluxo de caixa. Em uma loja virtual, por exemplo, um bom passo a passo é o descrito a seguir.

  1. Contrate um software para fazer o cálculo automático do fluxo de caixa.
  2. Contrate uma empresa intermediadora de pagamentos para poder facilitar os recebimentos e a organização financeira.
  3. Com o uso dos dois programas, toda venda realizada na sua loja será contabilizada.
  4. Sempre que precisar gastar ou investir o dinheiro recebido, adicione esse valor ao software de fluxo de caixa.
  5. Tenha o controle do valor de gastos mensais: aluguel, estoque, remuneração de funcionários, etc.
  6. Diminua esses custos dos lucros recebidos durante o mês e só gaste ou invista, se o resultado não for negativo.
  7. Repita essa operação todos os meses.
  8. Calcule para que o lucro de um mês seja sempre maior do que o do anterior.

Embora esse passo a passo tenha ferramentas de tecnologia, ele vale para qualquer empresa e pode ser utilizado também em lojas físicas e demais estabelecimentos. O uso de ferramentas tecnológicas e inovadoras é essencial para o desenvolvimento do negócio no século XXI. Facilita o trabalho, dá resultados precisos, reduz o tempo gasto e diminui os custos.

Checklist de Rotinas para Gestão Financeira

Como facilitar esse método?

Fluxo de caixa: Como facilitar esse método?

Não existe milagre ou dica surpreendente. A melhor forma de facilitar o trabalho de organizar a empresa financeiramente é com profissional qualificado e uso de tecnologia. Simples e direto!

Existem muitas ferramentas disponíveis que calculam lucros, receitas, despesas, investimentos, recursos disponíveis e metas. Além do já dito intermediador de pagamentos. Um elemento essencial para ter controle total sobre o dinheiro que entra no caixa do empreendimento.

Caso a sua empresa seja pequena, sem funcionários, com uma equipe reduzida, seja você mesmo esse profissional qualificado. Faça cursos na área de gestão e administração para facilitar a sua organização financeira. Isso vai ajudar bastante a sua empresa a crescer.

A seguir, você terá algumas dicas importantes para um fluxo de caixa que funcione. Também para que ele seja objetivo e cumpra com o próprio dever no seu negócio. Então confira!

1. Saiba a diferença entre o método e o lucro

O primeiro passo é entender que fluxo de caixa e lucro são coisas distintas. Alguns consultores alertam para um erro comum: olhar apenas o lucro e esquecer do caixa. Muitas vezes, não adianta saber se a empresa teve lucro ou não em determinado período. É o fluxo de caixa que determinará a capacidade de gerar receita e mensurar seu real valor.

Atenção, pois o lucro é enviado pelo seu contador por meio da Demonstração do Resultado do Exercício (DRE). Já quem tem o controle sobre o fluxo de caixa é o seu setor financeiro. Por isso, analise esses dois documentos de forma conjunta, assim como outros que informem sobre a realidade financeira da empresa.

2. Tenha liquidez

Lembre-se que muitas empresas fecham as portas não por falta de lucro, mas por falta de liquidez no caixa. Assim, já dá para ter uma ideia da importância em manter o fluxo de caixa sempre sob controle. Portanto, de que adianta lucrar no fim do ano fiscal, se no meio dele a empresa não conseguiu cumprir os compromissos?

Isso pode acontecer por vários motivos: inadimplência dos clientes, investimentos altos desnecessários, distribuição de lucros não compatível com a capacidade de gerar capital.

Para evitar quaisquer desses problemas, é necessário estratégia e eficiência. A inadimplência, por exemplo, pode ser reduzida com algumas técnicas que podem até zerar o número de devedores.

Como Cobrar Clientes Inadimplentes

3. Tome decisões na hora certa

De posse do relatório de fluxo de caixa, o gestor saberá se há falta ou sobra de dinheiro. Assim, ele estará apto a tomar decisões para otimizar as estratégias. Imagine que o resultado do mês se encontre negativo: não seria hora de lançar uma promoção e queimar o estoque? Por outro lado, se estiver com folga, não seria o momento de fazer investimentos? Seja com equipamentos ou na melhoria da estrutura da empresa?

Tudo isso pode e deve ser decidido a partir da análise não apenas do fluxo, mas de toda estrutura financeira. Até mesmo a reposição de estoque também pode ser decidida assim. Por isso, tenha sempre um método bem eficiente e objetivo para poder saber a hora de fazer cada coisa.

4. Melhore a gestão de cobrança

Fluxo de caixa: Melhore a gestão de cobrança

Veja bem que os números do fluxo de caixa são importantes para melhorar a gestão da empresa como um todo. Porém, eles também servem para repensar o sistema de cobrança. 

Quando esses números teimam em ficar no negativo, isso quer dizer que a empresa pode estar queimando o capital de giro. Isso faz com que haja necessidade de descobrir o motivo.

Será que os clientes estão pagando em dia? Quando eles não pagam, a cobrança é feita de maneira rápida e eficiente? Pode ser esse o motivo a afetar o seu caixa, como também podem ser outros.

Por isso, o essencial é ter uma análise bem completa, feita de tempos em tempos. Em períodos de baixo crescimento ou prejuízos, crie relatórios semanais. Já em épocas de desenvolvimento, eles podem ser quinzenais ou até mensais. O que não pode é deixar de crescer e, muito menos, não descobrir o motivo desse estacionamento ou recessão.

5. Planeje o futuro

Planejar o futuro é agir de forma estratégica. O empresário deve observar se as entradas previstas serão ou não suficientes para honrar compromissos no próximo mês. Este é o momento de pensar em soluções para evitar problemas como esse. Pode ser que você precise recorrer a linhas de crédito, mas, às vezes, com alguns cortes essa questão já é resolvida.

Pense sempre estrategicamente. Busque soluções que afetem da menor forma possível a vida financeira da sua empresa. Só recorra a empréstimos e créditos, se isso for extremamente necessário e se você tiver certeza que vai poder pagá-la. Tenha em mente que se o caixa está em ordem, o lucro também estará.

Com a mudança econômica que tem ocorrido no Brasil nos últimos anos, muitas pessoas têm tentado empreender. Porém, boa parte delas não entende sobre o assunto e acaba cometendo erros. Se você quer mesmo crescer, ter um negócio sólido, com lucros crescentes, é necessário estudar. Organização financeira é uma das principais partes. Nunca se esqueça disso!

Se tiver gostado deste texto sobre fluxo de caixa, assine a nossa newsletter. Assim, você vai receber mais conteúdos no seu e-mail para poder alavancar de forma eficiente o seu negócio!

Categoria

Gestão Financeira

Ver todos os posts desta categoria

Gostou do que viu por aqui?

Cadastre-se para receber os melhores conteúdos exclusivos sobre tecnologia de pagamentos e gestão, para alavancar de vez os seus negócios.