Como gerar boleto de forma simples e fácil? Entenda aqui! | Gerencianet

Blog da Gerencianet

Pagamentos on-line, empreendedorismo e e-commerce

Como gerar boleto de forma simples e fácil? Entenda aqui!

Editor Gerencianet

26/06/2019

Gerar boleto pode ser mais fácil do que você imagina! Confira!

O boleto bancário é um dos meios de pagamento e recebimento mais práticos. Além de ser democrático e estar disponível para um número maior de pessoas, se comparado ao cartão de crédito, ele também é fácil para emitir, pagar e receber. A emissão pode ser feita tanto por pessoa física quanto por pessoa jurídica. Já o pagamento pode ser realizado em bancos, lotéricas, farmácias e online, mesmo após o vencimento. Esses são alguns dos motivos pelos quais essa se tornou uma das principais formas de cobrança no Brasil.

Quer entender como gerar boletos de forma fácil e simples? Leia mais sobre o assunto abaixo!

Como funciona o boleto?

Antes de saber exatamente como gerar boleto bancário, é importante entender melhor o funcionamento dessa forma de pagamento. Desde o final de 2018, todos os títulos gerados precisam ser registrados no sistema do banco. Uma medida que visa trazer mais segurança e diminuir as fraudes nesse método de pagamento.

O último levantamento, de 2017, feito pela Federação Brasileira de Bancos (Febraban) registrou, em 2016, R$383 milhões em prejuízo por causa de golpes envolvendo o boleto. Com o registro obrigatório, a expectativa da Instituição é que esse número seja eliminado ou reduzido significativamente. A Febraban calcula que o novo formato elimine R$450 milhões em fraudes por ano.

As tarifas cobradas pelos sistemas de pagamento para o uso do boleto costumam ser menores do que as de outros meios de pagamentos, como o cartão de crédito. Porém, elas variam de acordo com a instituição responsável pela expedição do documento.

Outro ponto que comprova os benefícios de usar o boleto bancário é o estudo do Banco Central que identificou o dinheiro em espécie como a forma de pagamento mais utilizada no país. Segundo o documento, 50% a mais dos pagamentos são realizados via boleto bancário, em comparação aos  feitos com cartões de crédito.

A emissão do boleto, com a ajuda de uma plataforma específica para esse meio, se torna simples e muito fácil, armazenando as informações dos clientes, calculando os juros e multas automaticamente e reduzindo os erros. Além disso, garante o acompanhamento dos títulos que já foram pagos ou que ainda estão em aberto, propiciando a melhor gestão do seu negócio.

Quais são os campos do boleto?

No layout dessa cobrança, é possível notar os campos dos boletos, que são importantes na hora da emissão. Os principais deles são o nome do sacador/avalista, os dados do sacado, cedente, o código de barras e a linha digitável. Confira os significados deles:

  • sacador/avalista: campo com o nome e CPF ou CNPJ de quem receberá o pagamento;
  • dados do sacado: campo com o nome e CPF ou CNPJ daquele que pagará o boleto;
  • cedente: campo utilizado para informar o emissor da cobrança. Caso seja utilizado um intermediador de pagamentos, o nome da empresa intermediadora ocupará esse campo;
  • código de barras: campo onde é realizada a leitura do boleto por máquinas e computadores a partir de uma representação gráfica;
  • linha digitável: campo com representação numérica para digitação manual da sequência de números.

Com mais informações sobre os campos, fica mais fácil entender como funciona o boleto bancário. Quando o sacador/avalista (você ou a sua empresa) emite o boleto, ele é enviado para o sacado (cliente). Com o boleto em mãos, o pagamento é feito com a leitura do código de barras ou da linha digitável. Já a confirmação do pagamento pelas instituições bancárias pode acontecer em até um dia útil.

O que era o boleto simples?

O boleto simples ou sem registro era uma forma de pagamento  utilizada antes do avanço e aprimoramento da Nova Plataforma de Cobrança da Febraban. Era muito utilizado, pois não precisava ser registrado no sistema bancário. Porém, não era possível acompanhar a operação.

Esse tipo de boleto permitia que qualquer informação fosse alterada ou excluída sem que o banco fosse notificado. Assim, era possível fazer mudanças na data, nos valores, dentre outros. Dessa forma, podiam acontecer inconsistências no momento do recebimento.

Desde a implementação das novas normas para este meio de pagamento, a Febraban conseguiu conter o crescimento das fraudes e golpes, integrando a base de dados dos pagamentos.

O que é boleto registrado?

O boleto registrado é o novo modelo de título de pagamento que começou a ser implementado no início de 2017 pela Febraban. Desde setembro de 2018, ele passou a ser obrigatório para todos os documentos gerados. Agora, os boletos podem ser tarifados em diferentes etapas. O banco pode cobrar tarifas de emissão, confirmação de pagamento, cancelamento e alterações de datas de vencimento.

Se o documento estiver vencido há mais de um mês, uma nova tarifa pode ser cobrada mensalmente para que ele continue ativo. Caso seja necessário cancelá-lo, é preciso pagar outra tarifa. E caso o prazo de pagamento do documento expire, são cobradas as tarifas de cancelamento e expiração.

Mesmo que seja uma regra padrão, os valores das tarifas e o que precisa ser pago varia de banco para banco. Por isso, é importante pesquisar e negociar com as instituições.

Outra questão é o vínculo que a empresa precisa ter com o banco, que nesse caso é a conta corrente para que o dinheiro seja depositado. Vale lembrar que o boleto pode ser único, recorrente ou no formato de carnê. As duas últimas opções são comuns para pacotes com mensalistas ou pagamentos parcelados.

Entre as vantagens do formato registrado está a impossibilidade de pagar um valor que não esteja registrado no sistema bancário, evitando fraudes e protegendo a empresa e o consumidor de falsificações. Todo o processo fica salvo na Câmara Interbancária de Pagamentos (CIP) ou na Base Centralizada.

Dessa forma, as instituições bancárias podem consultar as informações de qualquer boleto, independentemente do banco em que foi gerado. Para o empresário, as informações sobre o processo de pagamento também podem ser consultadas no sistema bancário. Isso possibilita também que os boletos sejam pagos em qualquer instituição, independente do banco emissor, mesmo após a data de vencimento.

Quais são as vantagens de receber por esse método?

Ao optar por colocar a opção de receber via boleto, a empresa pode contar com algumas vantagens que podem ser ótimas para o seu negócio. Principalmente neste momento em que o método passou pela reformulação da Febraban e está cada vez mais seguro.

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostrou que 60 milhões de brasileiros não possuem uma conta bancária. Ainda segundo pesquisas do Banco Central, o boleto já cresceu 18% em comparação com 2010.

Esses dados mostram uma grande oportunidade de atrair novos consumidores para um negócio. O boleto pode ser considerado uma forma de reter os clientes e reduzir as métricas de abandono de carrinho em uma loja virtual, por exemplo.

O pagamento nesse formato cai mais rápido na conta da organização do que via cartão de crédito, o que pode beneficiar o fluxo de caixa e os investimentos da empresa.

Além disso, o boleto oferece a opção de ser cadastrado como Débito Direto Autorizado pelo cliente e, assim, diminuir a inadimplência e os atrasos no recebimento.

A emissão dos boletos pode ser feita por um intermediador de pagamento, que vai facilitar o trabalho e gerar cobranças de forma mais ágil e segura, sempre conectado com o sistema bancário e seguindo as normas propostas pela Febraban.

Cada plataforma cobra tarifas diferentes e é preciso fazer uma análise do que se encaixa melhor no seu empreendimento.

Outro ponto positivo de usar os boletos como meio de pagamento é a flexibilidade para negociar com o cliente. Essa opção pode ser decisiva para que o seu empreendimento seja escolhido pelo consumidor. Em caso de pagamentos atrasados, o empresário terá mais liberdade para conseguir chegar em um acordo e receber parte ou toda a dívida.

Quero emitir boletos agora mesmo

Qual a melhor forma de emissão?

Primeiramente, é preciso escolher entre duas formas de emitir boletos: por meio de uma instituição bancária ou por um intermediador de pagamento. Essa plataforma funciona como uma ponte financeira com o consumidor, principalmente para aqueles que querem evitar os contratos burocráticos.

Quando optam por gerenciar seus boletos por meio de um sistema de pagamentos, as pequenas e médias empresas ganham tanto em praticidade como em segurança. O sistema também permite acessar todos os relatórios de pagamentos. Sendo assim, manter o processo de cobrança da empresa alinhado se torna mais simples.

Para quem está começando o próprio negócio ou já tem uma empresa há mais tempo, a plataforma de gestão de boletos pode ser muito útil. Ela mostra para quais setores devem ser direcionados os esforços e quem são os clientes inadimplentes.

Como receber por boleto no banco?

Quem vai emitir boleto no banco onde já possuie conta precisa, primeiro, firmar um contrato de emissão de boletos. Em seguida, devem ser reunidos os dados do sacador/avalista, do sacado, o prazo de pagamento, o valor e quais como serão os juros e multas.

Depois do título pronto, o próximo passo é encaminhar para o cliente o link ou o arquivo em PDF e aguardar a confirmação. O preenchimento é feito de forma manual e tanto o procedimento como as tarifas cobradas podem variar conforme cada banco.

Como receber com um intermediador de pagamentos?

Quando se tem uma solução especializada na emissão e gestão de boletos e carnês, deixa de ser necessário manter um vínculo com uma conta corrente.

Por meio desta plataforma, você mesmo pode se cadastrar e começar a gerar os boletos. É possível imprimir a cobrança para enviar aos clientes via correspondência tradicional ou gerar o PDF e mandar por e-mail.

Toda a segurança da transação fica por conta da plataforma. Dessa forma, você conta com medidas que buscam oferecer integridade aos seus dados e dos clientes. O único trabalho será preencher os dados e fazer a emissão.

Esse canal permite que o próprio empresário gerencie e agende as mensalidades, visualizando o boleto na tela ou baixando o arquivo em PDF. É possível também transferir o saldo da plataforma para qualquer conta bancária, seja ela poupança ou corrente. Prático, não é mesmo?

Caso o pagamento precise ser dividido entre você e outra empresa, como uma fornecedora ou parceira, o intermediador de pagamento conta com uma solução chamada marketplace. A ferramenta calcula automaticamente a porcentagem que cada uma das partes vai receber e a direciona para cada empreendedor, mesmo em pagamentos recorrentes.

Outra funcionalidade que o sistema traz é o gerador de relatórios. É possível colher informações sobre os pagamentos aprovados e reprovados, inadimplentes, saldo de devedores etc. Tudo de forma simples, gratuita e ilimitada.

Como gerar o boleto bancário na prática?

Gerar boleto - como fazer

Com uma plataforma de emissão de cobranças, gerar boletos pode ser mais simples do que se imagina. Na Gerencianet, por exemplo, todos os boletos são registrados, não há mensalidade e é possível personalizar boletos e carnês. Veja abaixo como é feita a emissão de boletos na conta Gerencianet:

  • acesse o menu Cobranças -> Emitir Cobranças;
  • escolha a opção “Boletos”;
  • escolha a forma de envio: por e-mail ou geração de PDF para entrega manual;
  • selecione os clientes. É fundamental preencher todos os campos do endereço (com exceção do campo “complemento”, que não é obrigatório). Caso contrário, o endereço não será adicionado à cobrança no momento da emissão e não será exibido na cobrança;
  • defina os itens de cobrança;
  • informe a data de vencimento e os dados adicionais da cobrança;
  • clique em “Gerar cobrança”;
  • pronto! O boleto foi emitido com sucesso.

Boleto recorrente

Caso queira emitir boletos recorrentes, o processo é um pouco diferente. Mas a facilidade é a mesma:

  • acesse o menu Cobranças -> Emitir Cobranças;
  • escolha a opção “Assinaturas”;
  • defina “Boleto” como sua forma de cobrança;
  • determine como os boletos deverão ser enviados: via e-mail no formato PDF ou entregue manualmente;
  • indique quais clientes receberão a cobrança e preencha os campos obrigatórios;
  • caso tenha um plano de serviço ou venda cadastrado, selecione-o. Se não, basta cadastrar um novo;
  • informe a data de vencimento e os dados adicionais da cobrança;
  • clique em “Enviar”.

Carnê

Esse conjunto de boletos é recomendado para clientes que preferem receber todas as guias de uma vez, diferente dos recorrentes, que são entregues uma vez por mês enquanto durar a assinatura. Para gerá-los também é simples:

  • depois de selecionar Cobranças -> Emitir Cobranças, escolha “Boleto”
  • escolha se o envio será por e-mail ou em PDF para ser impresso e entregue manualmente;
  • selecione os clientes e preencha todos os campos obrigatórios;
  • determine os itens que serão cobrados, como multa, juros ou  descontos;
  • clique em “Gerar Cobrança”

Os dados adicionais da cobrança são o valor do frete, caso tenha, descontos e as penalidades. A seguir vamos mostrar como definir a multa e o juros.

Multa

O Código de Defesa do Consumidor determina algumas normas para a cobrança de juros e multa. No caso da multa, o valor deve ser baseado no preço final da compra e multiplicado por até 2%. O resultado obtido será incluído no valor da compra, mas esse valor é fixado e não deve ser cobrado mensalmente.

Se um cliente comprou um produto no valor final de R$200,00, não pagou antes da data de vencimento e a sua empresa cobra 1,5% de multa, por exemplo, o valor final da cobrança será R$203,00:

R$200,00 x 1,5% = R$3,00

Nova call to action

Juros

Também conhecido como juros de mora, ele indica que o consumidor sofrerá uma penalidade por não efetuar o pagamento no tempo previsto. De acordo com a lei, a porcentagem não pode passar de 1% ao mês. No boleto, pode constar qual será a porcentagem fracionada que será cobrada por dia, lembrando que o mês comercial possui 30 dias.

Para calcular basta pegar o número de dias de atraso, multiplicar pelo juros fracionado 0,033% e fazer outra multiplicação com o valor do título. Se o boleto está registrado com uma cobrança de R$200, por exemplo, e o cliente atrasou 16 dias, basta seguir a fórmula.

0,033% x 16 = 0,528%

0,528 x 200,00 = 1,05

Logo, os juros que devem ser cobrados após 16 dias de atraso é de R$1,05. Deixando o valor final em R$201,05. Caso você cobre os juros e a multa juntos, basta somar os resultados ao valor final contratado pelo cliente. Então ficaria:

R$200,00 + (0,033% x 16) + (R$200,00 x 0,528%) =

R$200,00 + 1,05 + 3 = R$204,05

Todo esse processo de determinar os juros e multa pode ser feito por meio de um intermediador de pagamentos. O sistema também vai salvar as informações no documento e registrá-lo no sistema.

Vale a pena usar o boleto?

Como vimos, o boleto pode ser uma forma fácil e atrativa para manter as vendas da sua empresa em alta. Ele também contribui para diminuir os atrasos, oferecer mais segurança e deixar o processo de cobrança mais flexível.

Ao usar um intermediador, sua empresa garante um acompanhamento muito mais seguro dos recebimentos. Além disso, aumenta o controle na previsão das contas a receber. Para o cliente, a opção de pagar por boleto bancário significa que a organização se preocupa com suas necessidades, acompanhando as tendências do mercado.

Agora que você já sabe como gerar boletos bancários de forma simples e segura, saiba mais sobre os conteúdos que podem ajudar o seu negócio assinando a nossa newsletter!

Manual da Mediação de Pagamentos 

Categoria

Formas de Pagamento

Ver todos os posts desta categoria

Os melhores conteúdos sobre tecnologia de pagamentos e gestão na sua caixa de entrada.

Deixe seu e-mail e receba gratuitamente:

Carregando...